No gênero de shooters em primeira pessoa é muito difícil encontrar histórias complexas e interessantes que propõem uma análise. A maioria das séries como Call of Duty, Half-Life, Battlefield e até Borderlands seguem a fórmula de Odisséia, onde um herói começa seu caminho de sobrevivência para finalmente se tornar o portador do triunfo. Ironicamente, é na controversa série anual da Activision que nos encontramos com pequenas doses de espírito diferente, talvez o último ponto de referência seja Infinite Warfare, com os pequenos passes entre o capitão Nick Reyes e o sargento Omar Usef, ou a aparência do robô-soldado Ethan com toda sua humanidade virtual.

Mas dando alguns passos atrás, tínhamos Wolfenstein: The New Order. Uma reinvenção da franquia mais longa do gênero que também propôs uma reinvenção dos shooters modernos, com uma maneira estilizada de contar uma história e melhorar a mecânica de gameplay que estávamos arrastando desde Call of Duty 4: Modern Warfare.

O New Order tomou conta de seus interesses e contou uma história inteligente, vertiginosa e cheia de nuances, que foi intercalada perfeitamente com cenas brilhantes de ação, apoiadas por um universo alternativo que era fértil, onde se pode explorar o impacto da instalação global do nazismo, como a influência nas artes e na tecnologia.

Chegamos em 2017, onde Wolfenstein II: The New Colossus se prende no mesmo momento onde para The New Order, onde B.J. Blazkowicz agoniza depois de matar Deathshead e toca momentos difíceis de sua vida, que talvez o transformou nessa máquina de matar implacável que temos que controlar. Toda sua equipe faz o possível para que sobreviva, e no momento em que você pode começar uma recuperação, sua base de operações é invadida pelos nazistas. A Terror Billy não tem escolha senão ir defender o «U-Boat» onde se instalou sua equipe, mesmo tendo que superar um pequeno obstáculo: a metade inferior de seu corpo estava paralisada e sai para defender o que é seu em uma cadeira de rodas.

Esta primeira cena, após o prólogo dramático sobre nosso herói, é a declaração dos princípios desta saga em sua forma mais pura. Estamos em um mundo devastado pelo nazismo, onde – obviamente – as liberdades de muitos têm sido limitadas, mas num universo representado através do estilo Wolfenstein tradicional, que sabe como encontrar o equilíbrio entre o drama e o bizarro para contar uma história sem igual, que certamente no cinema ou mesmo em outras séries de videogames ninguém permitiria.

Para ampliar a proposta e dar mais nuances à narrativa, The New Colossus incorpora um enorme elenco de novos personagens que atuam como engrenagens em uma maquinaria que explora diferentes situações em que é claramente afirmado que, apesar de estar em uma situação extrema, nenhuma das opiniões é absoluta. Porque, embora nosso herói seja absolutamente anti-nazista (e, por outro lado, é claramente esclarecido que ele é judeu), ele também está manchado por preconceitos herdados. O mundo em que vivemos não é governado por brancos e negros, e tampouco o de Wolfenstein, onde também atinge os limites é algo de todos os dias, e os protagonistas não podem evitar mostrar todas as suas falhas e vulnerabilidades.

No caminho da libertação, B.J. conhece outros grupos de diferentes partes dos Estados Unidos, cada um com sua própria filosofia de vida e com o qual ele chegam a dar debates interessantes sobre o papel de cada um nesta bagunça. Deslumbra no nível de apresentação e conteúdo do roteiro que foi desenvolvido pelo produtor Jens Matthies e o escritor Tommy Tordsson Björk, que usam esses diferentes indivíduos como catalisadores de debates que poderíamos ter no trabalho ou numa mesa de café. Nada é absoluto, ninguém é o dono da verdade, muitos não concordam, mas ainda precisam se unir para um objetivo comum. Estes momentos são apresentados em estilo de teatro sob a barra, onde cada interlocução é uma espécie de pequeno monólogo de estilo dramático, acompanhado de excelentes melodias de fundo. Wolfenstein II é uma jornada que poderia obviar as cenas da gameplay para se tornar um ótimo filme.

Mas este é um Wolfenstein, e seria trair a origem de tudo o que conhecemos hoje como jogos de ação se não tivesse excelentes cenas de gameplay, e aqui também aumenta as apostas de seu antecessor.

Ao manter os elementos tradicionais que construíram o gênero, somados às características particulares de The New Order, The New Colossus oferece alternativas adicionais a uma ação vertiginosa contra inimigos incansáveis ​​que nos conduzem através de um excelente nível de design.

Como é tradição nos videogames dos últimos anos, neste caso, eles não optaram por mapas abertos ou lineares, mas tudo é uma mistura orgânica forçada tanto pela paisagem urbana quanto por algumas decisões de design que canalizam a ação para onde está indo o enredo, mas sem evitar que haja alguma exploração. Há momentos em que temos que nos mover dentro de intrincados corredores de navios ou aviões gigantes, ou as trilhas de um metrô, mas também atravessaremos ruas e edifícios dizimados pela poderosa força de choque da Obergruppenführer Frau Irene Engel.

A grande novidade, neste caso, é a possibilidade de combinar diferentes tipos de armas para usar de maneira dupla, o que não está bem implementado e nos obriga a parar a ação para encontrar qual chave é a que retorna à arma simples, que mudar a arma secundária, que modifica a modalidade de cada uma, etc. É realmente uma bagunça que só pode ser bem sucedida se for planejada com antecedência e não se destina a fazer ajustes na marcha. Esta entrega é vertiginosa, seguramente muito mais do que o antecessor e a prequel, por isso é praticamente impossível tornar-se especialista em ataques duplos.

Outra modificação é que, em certo ponto da campanha, quando começamos a visitar diferentes estados dos Estados Unidos, ativamos um mapa onde podemos fazer missões secundárias que são ativadas pela decifração de códigos «Enigma», dispersos pelos comandantes abatidos. . Existe uma máquina específica dentro da base das operações onde teremos que usar um mini-jogo para desbloquear novas áreas, que podemos inserir mesmo depois de terminar a campanha, o que aumenta um pouco mais às 10 horas de jogo originais. São missões em lugares repetidos, com alguma variante na iluminação, pelo que não contribuem muito para o espetáculo, mas para um replay.

Artisticamente não poderia ser nada além de excepcional. Dito pelo próprio engenheiro líder da programação de renderização do motor idTech6, Tiago Souza, Wolfenstein II apresenta 30 vezes mais em complexidade gráfica do que o Doom do ano passado, e a verdade é que se nota. Não só é um título com ótima otimização, mas também oferece uma quantidade impressionante de efeitos na tela, tornando-se um dos jogos mais atraentes do ano. Os modelos de personagem também são coisa de outro mundo, o que resulta na jogabilidade acabando sendo ainda melhor do que a cinemática pré-processada, devido ao nível de detalhe que está em cada elemento na tela. Devemos também fazer uma menção especial à cena em que atravessamos toda a Nova Orleans a puro fogo e explosões, porque realmente, nunca se viu uma implantação de física e iluminação de tal calibre.

Definitivamente, os sons e a música não poderiam estar longe de tal qualidade e, acima de tudo, as performances de voz excepcionais fazem a honra justa ao brilhante roteiro de MachineGames. Assim como cada estágio é preenchido com modelos de objetos cotidianos, o ambiente sonoro de Wolfenstein II é cheio de pequenos detalhes que criam uma atmosfera. Alguns nazistas conversam entre si, B.J. analisa-se em seus pensamentos, o som das máquinas em segundo plano. Este é um mundo vivo graças à quantidade inumerável de elementos que nos alcançam através dos sentidos. A música, mais uma vez, é contribuída pelo excepcional Mick Gordon (Doom, Prey), e é definitivamente a única coisa que faltava para completar um panorama tão espetacular.

Sem dúvida, este é o melhor jogo de ação de primeira pessoa deste ano e, embora não alcance o topo da indústria porque a Nintendo tinha suas próprias jóias, em nossa plataforma é definitivamente a experiência inesquecível deste excelente 2017. Talvez a ausência de um modo on-line pode assustar muitos, mas se vierem de New Order e gostam de jogos que sabem como conjugar excelentes experiências de jogabilidade com grandes histórias, é um dos quais não podem deixar passar.

 Esta revisão foi feita com uma cópia de imprensa fornecida por Bethesda. Podem ver nossa galeria completa de imagens em 4K neste link.

[PT] Wolfenstein II: The New Colossus - Review
História90%
Gameplay90%
Gráficos95%
Música e sons85%
O Bom:
  • Excelente continuação da saga.
  • Extremamente divertido.
  • Espetáculo audiovisual.
O ruim:
  • A implementação de armas duplas não é muito boa.
  • Alguns picos de dificuldade.
92%Nota Final
Puntuación de los lectores: (2 Votes)
90%

Dejar una respuesta