Telltale Games retorna com a franquia que colocou o estúdio no centro da cena de aventurasgráficas com esta terceira temporada de The Walking Dead. Sendo um produto em série, começamos com um aviso: O seguinte review contém alguns spoilers das duas primeiras temporadas de jogo. Esclarecendo isso, começarmos por dizer que esta nova temporada de The Walking Dead funciona como uma sequela dos capítulos anteriores em parte, e como uma nova narrativa do outro lado. “A New Frontier” retoma alguns dos elementos que deixamos inacabadosao final da 2ª temporada. Mas, pelo menos em seus dois primeiros episódios, se dedicava a explorar novos territórios.

Mais uma vez, nós controlamos um novo personagem para a nova temporada. Embora não haja nenhuma sequência narrativa condutora clara neste caso. Na primeira temporada nós controlávamos o sobrevivente Lee Everett, tentando levar seu grupo para a segurança durante o surto da epidemia zumbi.Grupo que incluía um eclético elenco de personagens, a partir do qual se sobressaía a pequena Clementine. Na segunda temporada, assumimos o papel da própria Clementine, agora entrando na puberdade e tendo que lidar com um mundo absolutamente hostil.

Esta terceira temporada introduz um novo personagem jogável: Javier García, ou Javi para os amigos. É um personagem absolutamente original, e não tem nenhuma relação com os acontecimentos das temporadas anteriores, da série de TV ou quadrinhos. Então, de certa forma afrontaremos o mundo do jogo na pele de um personagem “fresco” para este tipo de aventura. Conhecemos a Javi em que talvez seja uma das sequências mais impressionantes que Telltale já criou para os seus jogos. Os primeiros dez minutos de esta nova aventura são realmente excelentes, e ajudam a lembrar a todos, onde está o ponto forte deste tipo de história.

Mas a narrativa desta nova temporada nos lança rapidamente para o fluxo de eventos. E em breve vamos estar na estrada aberta com Javi e seu pequeno grupo de sobreviventes. Uma característica única deste grupo éque compõe, de certa forma, uma família. E não uma família formada após o apocalipse, mas uma família que ficou junta durante os piores momentos da crise zumbi. Na verdade, o tema central desta temporada parece ser a ideia de família, e como os vínculos fraternos são colocados em tensão durante o fim do mundo.

Naturalmente, muitos de vocês podem se perguntar onde Clementine se enquadra em tudo isso. Fiquem tranquilos, a jovem sobrevivente volta para esta temporada, embora em um papel diferente ao que ocupou nos episódios anteriores. Na primeira temporada Clementine funcionava como uma espécie de bússola de moral extra para o jogador. Cada decisão que Lee teve que tomar foi racionalizada em termos de como isso afetaria Clementine. Aquela dinâmica criou uma experiência de jogo verdadeiramente única, e foi, sem dúvida, o que ajudou a impulsionar Telltale para o seu lugar hoje entre os desenvolvedores de jogos. Na segunda temporada Clementine estava de volta em um papel de protagonista. E enquanto a dinâmica já não era tão interessante, aquela temporada nos colocava na pele de um personagem conhecido,ao qual ajudamos a dar “forma” durante os eventos da primeira temporada, o que em si mesmo tinha seu próprio encanto.

Nesta terceira temporada Clementine retorna no papel de um personagem secundário. Infelizmente, pareceque esta decisão da Telltale não foi correta. Ao ocupar o papel de “estranha” do ponto de vista do Javi, Clementine cria para o jogador alguns dilemas que acabam não sendo certos. Em várias ocasiões, o jogo levanta a decisão de confiar em Clementine ou desconfiar de uma estranha, e isso gera uma dissociação entre o jogador e o papelque o jogador desempenha. Javi não conhece a Clementine, e não tem motivos para confiar nela. Mas nós, como jogadores, sim aconhecemos, a ajudamos a sobreviver, e demos formacomo personagem ao longo de duas temporadas, e é perfeitamente natural que confiemos nela.Não acaba ficando estranho, em definitiva, que ao analisar as estatísticas das decisões dos jogadores mais de 90% deles estão do lado de Clementine em cada decisão possível.

Telltale também procura responder a perguntas sobre o paradeiro de Clementine entre a 2ª e 3ª temporada através de vários flashbacks, mas por agora o seu significado não foi totalmente revelado. A gestão de Clementine na narrativa é um elemento que marcauma temporada, o que, aliás, foi iniciado corretamente e com momentos muito interessantes. O tremendofinal do primeiro episódio, o aparecimento de um favorito dos fãs nos quadrinhos e da série, e a enorme revelação no final do segundo episódio, vai deixar de boca aberta a muita gente.

Há outroselementos criticáveis para destacar no jogo. Em primeiro lugar, e isso talvez seja algo pessoal, começo a sentir alguma “fadiga” na fórmula da Telltale. A ilusão de escolha se torna cada vez mais tênue, e está se tornando mais fácil espreitar atrás dos bastidores em cada momento chave da narrativa. É conhecido que os jogos da Telltale apresentam decisões que, no final do dia não terminam por impor muitas diferenças, mas depois de três temporadas de The Walking Dead (e outros projetos doestúdio) é natural que a fórmula comece a sentir-se um pouco velha.

Por outro lado, os episódios são realmente curtos. Falamosde cerca de uma hora para cada um, para contabilizar um pouco mais de duas horas no total.Se Telltale mantém esta duraçãodurante o resto da temporada, estaremos falando sobre um jogo de não mais de cinco horas. O que faria dele o produto mais curto da Telltale até agora. Esta situação é agravada pelo fato de que The Walking Dead: A New Frontier é um jogo extremamente simples, que não apresenta desafios complexos na forma de quebra-cabeças ou cenas de QTE muito difíceis.

Por outro lado, Telltale voltou a usar seu novo motor nesta nova temporada (o mesmo utilizado para o Telltale: Batman) e as diferenças com as duas temporadas anteriores de The Walking Dead são notórias. O motor não só tem gráficos bem definidos e mais agradáveis, como também se sente muito mais estável e menos propenso a erros ou falhas gráficas. O estilo próprio de Comic desta saga continua, e o jogo oferece excelentes gráficos. Cada cena de A New Frontier parece retirada das páginas do material original.

Nodepartamento de som,o excelente trabalho de voz típicos de Telltaleregressa. Os atores de voz voltam a fazer um grande trabalho em geral, e mais uma vez é Melissa Hutchinson que se sobressaíao dar vida a Clementine. Estamos diante de uma personagem que não é mais a menina doce da primeira temporada, e tornou-se uma veteranana difícil questão de sobrevivência. As mudanças sutis que Hutchinson aplicou ao modo de falar e o tom de voz de Clementine é realmente excelente.

Agradece-se também a que (finalmente!) Telltale lançou o jogo com legenda oficial em português. Em temporadas anteriores, aqueles fãs que não se davam bem com a língua de Shakespeare, tinham que esperar a que os fãs fizessem traduções não oficiais, mas felizmente Telltale tem avançado neste departamento. Antes tarde do que nunca.

Em suma, estamos frenteao lançamento de uma nova temporada da franquia estrela de Telltale, e infelizmente o jogo nos deixa com mais duvidas do que certezas. A curta duração dos capítulos, a dificuldade inexistente no jogo eo fato de que a fórmula da Telltale começa a mostrar sinais claros de sintomas de fadiga são definitivamente preocupantes. Se a isso somarmos uma abordagem pobre e o novo papel do Clementine, estamos frente a um jogo que irá nos deixar com poucosabor, pelo menos em seus episódios iniciais. A introdução de novos personagens realmente interessantes, e uma nova trama centrada em torno da idéia de família são os elementos que salvama esta nova temporada de mediocridade absoluta. Porém Telltale deverá melhorar ao longo dos próximos episódios, bem como em relação a suas futuras produções.

Este análise foi realizado com uma cópia impressa fornecida pela Telltale Games.

[PT] The Walking Dead: A New Frontier | Episodes 1 & 2: The Ties that Bind - Review
História60%
Jogabilidade55%
Gráficos80%
Música e sons80%
O melhor:
  • Motor gráfico melhorado com relação as temporadas anteriores
  • Grandes momentos na narrativa
  • Toca em temas e dilemas interessantes
O ruim:
  • O novo papel do Clementine coloca dificuldades na narrativa
  • Curtíssima duração de cada episódio
  • Fórmula daTelltale começa a mostrar sinais de fadiga
65%Nota Final
Puntuación de los lectores: (0 Votes)
0%